Terminou?

08/09/2014 20:51

                             

                                                  Foto:  https://www. guiadasdicas .com/

            

    Tarde no shopping. Véspera de data comemorativa, daquelas que enchem os carrinhos com compras que geralmente são esquecidas no dia seguinte. Tudo cheirava e beirava o normal e o previsível, quando fui nocauteado pelo seguinte diálogo na mesa que ficava atrás da minha, numa hamburgueria qualquer:

__ E então, como é que a gente fica?

__ Não fica. Acho...

__ Como assim? A gente é tão bom junto!

__ Não sei não... Nosso namoro deu uma esfriada. De uns tempos pra cá a gente só briga.

__ Não diz isso! Nascemos um para o outro, igual aquela música que a sua mãe vive escutando e assobiando.

__ Vai, diz alguma coisa!

__ Acho que a gente se transformou em amigos. Quero que você seja feliz, encontre alguém que te queira, te valorize, e te respeite.

__ Isso é desculpa esfarrapada! Fala a verdade!

__ Querer o bem pra você é desculpa?

__ Esse lance de “você merece alguém melhor” é ridículo!

__ Tá! Você merece alguém pior, então... Por favor, isso já é doloroso demais. Vem cá, me dá sua mão.

__ Prefiro um abraço.

__ Tá bom.

__ E um beijo?

__ Isso é tétrico. Não vamos piorar isso.

__ Quero te sentir pela última vez.

__ Você pode me sentir sem me beijar.

__ Não. Só um.

__ Não vamos prolongar esse sofrimento, tá? Me ligue, se precisar de algo.

__ Mas eu preciso tanto de você!

__ Preciso ir. Desculpe.

__ Por favor, fica!

__ Não. Já vou. A gente se vê.

__ Então está tudo terminado, pra sempre?

__ Pra sempre eu não sei. Quem sabe do dia de amanhã, né?

__ Terminou?

__ Terminou.

__ Achei que pudesse ter mais humanidade e ética dentro de você! Covarde! Insensível!

__ Desculpe. Terminou...

E não é que até perdi a fome? Não tive coragem de olhar pra trás e conferir de quem se tratava. Desisti do meu pedido diante de tanto sofrimento. Desci a escada rolante e fui tomar uma casquinha no piso debaixo. Pelo menos, algo doce desceria melhor...

Dedico este texto a todos os namorados e namoradas do mundo.

Abraço cordial!!!

 

(Eduardo C. Souza é escritor e professor de História. Ele espera que você não precise praticar este tipo de diálogo na sua vida. Embora ele ache que na tristeza também exista beleza).

 

Confira outros textos do autor no link Coluna do Eduardo.