Qual o preço de um jacaré?

08/02/2013 21:29

 

 

  

                                                                                

                                         

 

 

No ano passado passei minhas férias  em Ouro Preto. Era janeiro e você sabe como choveu. A cidade quase desmanchou. Neste ano apostei no mesmo cenário e perdi todas as minhas fichas, pois praticamente não choveu por essas bandas. Portanto, não comprei pacote algum de viagem. Restou-me, simples mortal, perambular pela capital e seus shoppings. Tive a oportunidade de conhecer um e rever outros dois. Sempre que passeava pelos corredores, estava ele lá, a me olhar e piscar seu olho direito para mim, a fim de me seduzir... Sim! Me seduzir, para que eu entrasse em uma de suas lojas e comprasse aquela camiseta, camisa polo ou mesmo um tênis. Aquele jacaré estava querendo fisgar minha carteira nada recheada.

A marca do jacaré verde e tantas outras seduzem mesmo e é  papel delas atrair cada vez mais clientes, tal qual aquela planta carnívora linda que come os insetos que se aproximam em estado de êxtase por sua beleza ou cheiro que anestesia os sentidos. Para você, jovem leitor que deve estar confuso, estou aqui fazendo uma alusão de como o capitalismo nos faz comprar coisas que nós, na maioria das vezes, nem necessitamos. Aqueles já rodados como eu já sacaram a referência.

Em um desses shoppings, fiz uma experiência comigo mesmo: queria  uma camisa do jacaré verde, assim como no natal, quase comprei um tênis da mesma marca. Resisti bravamente e acabei entrando em outra loja, aquela que vende malhas gostosas como um abraço. Me encantei com a qualidade da malha, das cores vivíssimas e melhor: com o preço. Pelo preço de uma do jacaré, comprei três, isso mesmo econômico leitor, três camisas do abraço, um boné novo, pois o meu verde está muito surrado e um par de meias de coraçãozinho para minha namorada. E ainda tive um troco de 30,00! Resultado: saí de sacola cheia, daquelas que as mulheres adoram desfilar pelos corredores, ainda que não seja mulher, tampouco goste de desfilar pelos corredores munido de sacolas. Embora elas fiquem lindas desse jeito, não é mesmo,  homens?

O fato é que, voltando ao título deste texto, você que é muito inteligente e perspicaz, já percebeu que um jacaré pode ser caro demais e você certamente terá outras opções de compras, saindo tão feliz quanto se estivesse comprado um peça do jacaré verde. Não estou dizendo para você não fazê-lo, até porque eu também quero uma camisa desta marca ou mesmo em tênis, daqueles branquinhos, lindos como meus pés. O buraco é mais embaixo: Tenha um pouco de paciência para pesquisar preços e marcas. Você vai perceber que, às vezes, “menos é mais” . Agora, caso você tenha ganhado na loteria ou esteja com uma bolada farta, fique à vontade. E se quiser começar o ano fazendo também uma boa ação, lembre-se deste pobre colunista que vos escreve.

No mais, boas compras, e como diria minha avó: Prudência e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

Abraço cordial !!!

                                                ( Eduardo C. Souza é professor de História e escreve mensalmente neste espaço. Ele recomenda  a  você que, ao adquirir uma peça nova, doe uma antiga; Faz bem para a alma e pra quem a recebe).