Pra que tanto perguntar?

27/12/2012 16:01

 

 

 

“O que é o belo?” “O que é justo?” “O que é injusto?” “O que é coragem?” “O que é governo?” “Como deve ser um governador?” “O que é ser nobre?” “O que é o estado?” “O que é vergonha?” “Como seria o Estado ideal?” Essas são perguntas feitas por pessoas que querem um governo melhor, querem justiça para a essência humana.

“Como devemos cuidar dos nossos corpos?” “Devemos fazer exercícios físicos?” “Qual o papel da música na vida?” “E o da poesia?” “E o da guerra?” “Como alcançar a autocontrole?” “Como dominar as desejos humanos?” “Como devemos lidar com o prazer?” “E com os excessos?” “E com a luxuria? Essas são perguntas especificas feita por pessoas que tentam entender o objetivo da ciência inteligível com efeito na saúde humana.

  “Pra que tanta dúvida?” “Ou pra que se preocupar?” “Não é mais fácil viver a vida intensamente?” “Pra que proibir?” “Ou pra que leis?” Essas são algumas perguntas feitas por pessoas que querem encontrar a liberdade, não a liberdade de um pássaro em uma gaiola onde ele tem a liberdade de ser livre apenas em um espaço limitado. Mas a liberdade de não terem leis.

   O homem necessita de suas perguntas, o homem é a sua razão, seu intelecto, sua personalidade moral e intelectual, seus conceitos étnicos e, principalmente, suas perguntas que fazem parte de sua consciência.

 

Marco Túlio Paim Ribeiro