O Problemático Possessivo "Seu"

04/07/2011 13:35

Recursos para Contornar a Ambiguidade

 

Entre as qualidades que qualquer texto deve possuir, três são básicas: a clareza, a concisão e a correção.

A importância da clareza decorre da própria finalidade primordial da linguagem: propiciar aos seres humanos a comunicação de seus pensamentos. Quanto mais nitidamente souber alguém transmitir o que pensa, tanto mais eficiente será sua linguagem.

A clareza de ideias é obtida com construções bem elaboradas, para que o texto se torne coeso, sem ambiguidades. Mas, que se entende por ambiguidade?

Segundo definição encontrada no Houaiss, a palavra ambiguidade, significa “a propriedade que possuem diversas unidades linguísticas (morfemas, palavras, locuções, frases) de significar coisas diferentes, de admitir mais de uma leitura”. Sendo assim, a ambiguidade pode decorrer do duplo sentido de uma palavra ou da dupla possibilidade de relação de um ou mais elementos de uma frase.

Convém destacar, porém, que, em alguns casos a ambiguidade é produzida voluntariamente pelo autor do texto para obter determinados efeitos de sentidos. É o caso dos textos humorísticos e publicitários. No entanto, se a ambiguidade é produzida de forma involuntária, será considerada inadequada por comprometer a compreensão do texto.

Em português, um caso relativamente comum é o que envolve o pronome possessivo de terceira pessoa seu ou sua e variações. A seguir, focalizaremos a ambiguidade no emprego desse pronome, e como (ou quando) será possível corrigi-la.


O POSSESSIVO DE TERCEIRA PESSOA

A primeira razão para que o possessivo [seu] e flexões [seus, sua, suas] se preste a ambiguidade é que ele pode tanto referir-se a um ser, como a outro ser, mencionados na frase; esteja este no masculino ou no feminino, no singular ou no plural:

- O professor comentou com os alunos suas deficiências.

As deficiências de quem? As do professor, ou as dos alunos? Como você pode observar o possessivo [seu] pode tanto referir-se ao professor como aos alunos.

O recurso para contornar essa ambiguidade é o emprego, em substituição ao possessivo, de um complemento esclarecedor (de + pronome pessoal), ou seja, às formas dele(s), dela(s), de você, do senhor e outras. Conforme a intenção que você deseje transmitir, construiria assim:

- O professor comentou com os alunos as deficiências deles (ou: a deficiência dele).

No caso dos substantivos serem do mesmo gênero e número, a solução é repetir o substantivo (professor ou aluno) a que se refere o possessivo:

- O professor comentou com o aluno as deficiências dele, aluno (ou: dele, professor).

A outra razão de ambiguidade é o uso de [seu] como possessivo de segunda pessoa quando a ela nos dirigimos no tratamento de você, senhor e equivalentes:

- Vou convidar a Joana e seu noivo para jantar lá em casa.

O noivo de quem? O de Joana, ou o de quem me escuta? A forma desambiguadora pode ser feita com a simples eliminação do possessivo:

 - Vou convidar Joana e o noivo para jantar lá em casa.

Ou então com as formas já mencionadas anteriormente:

- Vou convidar a Joana e o noivo dela para jantar lá em casa.

- Vou convidar a Joana e o noivo, de Joana, para jantar lá em casa.

Outros Exemplos:

- O Pai pediu à filha seus livros.

- O Pai pediu a filha os livros dela. (ou: os livros dele)

- O Pai pediu ao filho seus livros.

- O pai pediu ao filho os livros dele, o pai.

- A advogada encontrou seu pai na sala.

- A advogada encontrou o pai na sala. (ou: na sala dela)

- Carlos fez as pazes com Ana e seus sobrinhos.

- Carlos fez as pazes com Ana e os sobrinhos. (ou: os sobrinhos dela)

____________________________________

Fonte: ROCHA LIMA, Carlos Henrique da, Raimundo Barbadinho Neto. Manual de Redação, 5ª Ed. / 2ª tiragem – Brasília: FAE, 1994.