Monólogos de um louco sem hospício V

30/06/2014 21:34

 

Um brinde aos seus erros! Um brinde as coisas que te causam culpa! Um brinde aos erros dos quais foste cúmplice! E finalmente, um brinde as coisas que só na sua cabeça, são erradas.

“Quem nunca cometeu um erro que atire a primeira pedra”. É assim que é a frase? Passagem bíblica, se não me engano. Jesus, ao ver uma mulher sendo apedrejada por um erro que se tornou público, foi ao seu socorro e disse tal frase. Não quero que ninguém me corrija, caso tenha errado algo, estou em um “auto tratamento” com o complexo de perfeição.

Complexo de perfeição. Se é um complexo, não é perfeito.

Pra que ser perfeito(a)? Para você atingir a perfeição, você tem que ser um ser humano perfeito, mas todos os seres humanos erram, logo não são perfeitos. Se ninguém é perfeito, e se é impossível o ser, pra que esse complexo? Seja perfeito. Faça as coisas com perfeição. Aja com perfeição. CANSEI de tanto “perfeito”.

Da última vez, falei sobre perdão. Hoje falo sobre erros. Erros os quais todos cometem de formas diferentes. Todo mundo sente culpa por algo que fez, mas que toda vez que analisa a situação pensa: “no fundo, eu não fiz nada de errado”, mas ainda assim fica se martelando com aquilo. Quer saber a verdade? Você errou, todos erram, eu erro, e vamos errar ainda mais! Relaxa, que essa foi a boa notícia.

Repeti tantas vezes as palavras “perfeito”, “erro” e suas variáveis que já deve estar cansado de lê-las, mas é pra ficar fixo na sua cabeça. Agora vamos lá, rápido, pense em algo que você fez que foi perfeito. Analisou a situação toda? Analisou os impactos positivos e negativos que causou nas pessoas direta e indiretamente? Com certeza teve efeitos negativos, mesmo mínimos, isso acabou de arruinar a perfeição do seu ato. Agora, pense em algo que você fez de “errado” – imagine um voz bem irônica falando esse “errado”, por favor. Faça o mesmo que fez com a situação do “ato perfeito” e vai descobrir que pra alguém, nem que tenha sido para você mesmo, isso foi bom. Erros nos ajudam a crescer, sejam os nossos, ou os dos outros.

Depois disso tudo, o resumo do que eu queria dizer é: nada é só bom ou só mau. Nada é 100% certo ou errado. Tudo é uma mistura dos dois. Nem que seja 0,0001% errado ou certo, vai ser uma mistura dos dois. Então, não fique nesse complexo de “eu tenho que fazer tudo certo” porque não vai adiantar nada. Faça o que tenha vontade e aprenda a lidar com as consequências dos seus atos. É o melhor jeito de ser perfeito para a pessoa que mais importante dessa história toda: você.

Não é um dos meus melhores texto, admito, mas estou errando, isso é o que importa.

Recomendo, para esse texto: We Are Young, do Fun. com a Janelle Monaé.

 

 

 

 

Maria Letícia Nolasco é aluna do CAOP e escreve mensalmente neste espaço.

 

Confira outros textos da autora no link: Coluna da Maria Letícia.