Monólogos de um louco sem hospício II.

18/06/2013 20:52
    
 
 
 
 
    Chegou a hora por qual, durante anos, esperei. A hora em que outros "loucos desabrigados" lutariam pelos seus direitos, a hora em que finalmente eu teria orgulho da democracia e da nação.

    AVANTE LOUCOS! Pois afinal, qual maior orgulho eu poderia ter, de ver cidades acordando e ajudando o país crescer? Chegou a hora da batalha, sem armas, sem dor, sem agressões, ao menos pela nossa parte. Seremos agredidos, diminuídos, ignorados, para no futuro sermos lembrados, como heróis e como santos da nação.

    Chegou a hora, posso ouvir os gritos de apoio vindos de longe, mas aqui perto já prepararam as correntes e as balas de borracha para nos conter, ou pelo menos para pensar que irão nos conter. A "geração coca-cola" finalmente acordou e não será fácil nos por para dormir novamente. Ficaremos gritando e chorando em seus ouvidos como recém-nascidos sedentos, sedentos pelos nosso direitos que nunca foram cobrados e muito menos postos em prática.

    Somos nós loucos, anonymous, jovens, idosos, crianças, adultos... nos agora somos tudo, tudo menos cegos.

    Avante loucos, pois é hora da batalha.

 

    São inúmeras as músicas as quais eu poderia recomendar aqui, mas a que, para mim, melhor retrata nossa situação atual seria: Revoluções por minuto- RPM

 

 

Maria Letícia Nolasco é aluna do CAOP e escreve mensalmente neste espaço.