Memória Traiçoeira

18/05/2015 19:19

 

A alegria que um dia senti.

Esta, já não me satisfaz.

Minha memória traiçoeira

me obriga a olhar para trás;

e tentar lembrar.

 

O pranto que meu rosto encharcou,

a  palavra que feriu meu peito,

as memórias que o vento levou.

Me fizeram pensar:

 

"Por que comigo?"

Com o orgulho ferido e

na necessidade de um ombro amigo,

desatei a chorar, 

por não conseguir recordar:

as lembranças que um dia tive,

ou o que não consegui realizar?

 

Em meio ao meu sentimento desordeiro,

dei por falta do companheiro

que me apoia e que me diz

que em minha liberdade limitada,

posso ser um pouco mais feliz. 

 

Lis Vieira da Mata é aluna do 7º ano e escreve mensalmente neste espaço.