Consumista, eu?

01/11/2012 21:54

 

                                                                                                                                inspiracoeseticas.wordpress.com 

 

 

Cada vez que vou ao shopping ou a alguma loja, me coloco a pensar no quanto consumimos e no quanto somos levados a consumir. Não vou aqui, caro leitor, fazer apologia ao consumismo, muito menos taxar-me de socialista, dizendo que o mercado deveria ser extinto. Vou apenas lançar um olhar sobre a questão.

Você já reparou como somos abordados por vendedores? No caso dos homens, somos sacudidos por “bordões da virilidade”:

– Fala, patrão!!!

– E aí, capitão?

– Diga, meu Rei!!

Por acaso, sou alguma dessas coisas? Não! Queria um pouco mais de realismo na cena...

E as mulheres? Essas são um capítulo à parte:

– Meniiiiiiiiiiiiiiiiiina!! Separei umas peças que são a sua cara!

– Olha só como essa peça combina com seu tom de pele...

– Leve mais essa, da cor da estação...

E o mais engraçado é como o tom de voz muda de acordo com o ou a cliente. Pode ser de madame chic, de moça descolada e antenada, de patricinha e por aí vai... as vendedoras tem repertório de dar inveja a qualquer ventríloquo.

Em uma ocasião, estava em uma loja de sapatos quando o gerente soltou o seguinte petardo: “ você pode ver: se o homem tiver mais de 5 pares  e mulher tiver menos de 20, tem alguma coisa errada”. Pode uma coisa dessas? Agora o consumidor é tipificado como arroz: tipo 1, tipo 2 e assim por diante. Eu até adotaria essa frase para uma tese de sociologia. Vai que pega, não é?

Agora o outro lado da moeda: É impossível não consumir em uma sociedade capitalista, em que tudo o que necessitamos é adquirido pela compra. Mas assim  como beber ou comer açúcar, compras devem ser feitas com moderação.

Quer ficar bem com sua consciência e com a humanidade? Faça assim: De cada peça de roupa nova, doe uma usada a quem REALMENTE precisa. Dessa forma você cria um círculo virtuoso de caridade e fraternidade, rompendo com o círculo vicioso de compras desenfreadas. No mais, antenas ligadas com as armadilhas do comércio e boas compras!!!

 

PS: Esta crônica é para todas as mulheres que são, por vezes, lindamente consumistas.

 

Abraço cordial!!!

( Eduardo C. Souza escreve mensalmente neste espaço. Ele acabou de contar mentalmente os seus 4 pares de tênis e um de sapato)