Você já foi ao primeiro mundo?

10/06/2013 14:16

                                                       

                                                                                                                   maniasepaixoesdedani.blogspot.com.br

 

    Nas crônicas passadas escrevi em uma delas que viajar é bom demais. Eu não mudei de ideia, pois é muito bom mesmo! Não sei se cheguei a dizer que, por mais que eu viaje, eu gosto na verdade é de voltar para casa. Paradoxal? Pode parecer, mas não é. Explico: Você pode ficar no melhor hotel do mundo; Pode comer das coisas mais exóticas da terra; Pode até estar no paraíso. Mas cá pra nós: Todas essas coisas ganham do cheiro do seu travesseiro? Da comida que sua mãe faz?  Do modo como o mineiro fala?  Aqueles “ véi”, “nuuh!!”, ou mesmo os clássicos e já consagrados “ uai” e “sô”. Fala que não dá saudades? Ao chegar no aeroporto de Confins e ouvir aquele sotaque mineirim carregado... é bom demais da conta!

    Recentemente  estive na região sul do Brasil. Disseram-me antes de ir que lá era o 1º mundo. Sem bairrismos de minha parte, devo concordar que onde me hospedei, é fato: não havia mendigos, cães perdidos, semáforos, buzinas, xingamentos... e , pelo contrário, as casas têm cercas baixas e nem sinal de arrombamentos e policiais a fazer boletins de ocorrência. Lá, por favor e obrigado são regras e não exceção. Não é o paraíso, mas se aproxima. Digo isso sem cerimônia. Não acho que sejamos bárbaros a apreciar o espetáculo do Império da civilização; mas temos e devemos caminhar bastante até atingir esse nível. Desta vez, confesso, não estava muito a fim de voltar. Porém, ao sentir saudades da minha terrinha, me achei de novo aqui.

    Aí, pensei na questão do título desta crônica: Você já foi ao 1º mundo? Não se trata, viajante leitor, de pegar um avião e ir para o sul, para o velho continente ou para a terra do Tio Sam. Mesmo porque historicamente o 1º mundo nem foi na Europa e sim na África. O problema é que os Europeus se acharam os donos do mundo, houve uma época e essa lenda acabou ficando no senso comum.

    Cheguei à óbvia conclusão de que quem faz o 1º mundo somos nós!! Como? Simples: Comece não jogando papel no chão, respeitando a faixa de pedestres, usando com mais frequência as palavrinhas mágicas ditas no início deste texto, votando de forma ética, não abusando da buzina do carro, dando preferência a idosos e a gestantes e por aí vai...

    Desta forma você, eu e todo mundo vamos construir um 1º mundo no lugar onde vivemos e poderemos viajar para qualquer lugar para conhecer, curtir e se esbaldar nas coisas boas e belas da vida,  sem a vontade de ficar por lá. Não disseram que quem faz o lugar onde vivemos, estudamos e trabalhamos, somos nós?

Abraço cordial!!!

 

Dedico esta crônica a um monte de gente desta vez: Para Cláudia que, como eu, adora voltar para casa; Para Lunara, que amou o sul; Para Ana Firmino que vive a viajar nos trilhos da cultura e para Tatiana, que está na terra da Rainha estudando, mas morrendo de saudade de casa.

 

 ( Eduardo C. Souza é professor de História e escreve mensalmente neste espaço. Ele recomenda a você viajar +)