Vírgula vem antes de etc.?

04/06/2011 14:15

 

Ortografia, escritores e especialistas consagraram uso de "etc." precedido do sinal de pontuação

 

Simetria: o "etc." acima vira espelho das coisas abaixo: a locução adverbial latina etcoetera ou et cetera significava "e outras coisas", "e as coisas restantes", "e o resto"

A discussão sobre se a abreviatura "etc." deve ou não ser precedida por vírgula não é empolgante, mas desde o século passado há gente que se preocupa com isso. Antes de "etc." deve-se virgular ou não? 

Sim, diz a maioria dos especialistas.
 

Sim, porque a maioria dos escritores a usa.
 

Sim, pois sempre que aparece nos acordos ortográficos de 1943 e de 1990, "etc." está precedida de vírgula.
 

Assim, preceder "etc." por vírgula é seguir a consagração do uso, embora - é importante ressalvar -, o sinal não seja obrigatório. "Etc." abrevia "etcétera", da locução adverbial latina
 et coetera ou et cetera ("e outras coisas", "e as coisas restantes", "e o resto"). Encerra qualquer enumeração de modo genérico, conclusivo e comprobatório. Passou a significar também "e assim por diante". 

Implícito
Em "etc.",  o et corresponde ao "e". Por já haver na abreviatura o "e" implícito, alguns sábios consideraram não caber vírgula antes, já que a conjunção nesses casos une itens ou segmentos de igual valor.
 

Mas a combinação"et coetera" perdeu seu caráter de locução e ganhou um significado condensado, com seu ponto incluído, de modo que se pode tomar a liberdade de dizer que em português (e inglês e francês) não há mais conjunção e adjetivo neutro, mas uma unidade, uma abreviatura apenas.
 

Da mesma forma, o plural neutro
 coetera/cetera deixou de se referir apenas a coisas em português e em outras línguas ocidentais, como queriam alguns intérpretes, agora poucos, e teve o sentido ampliado para se referir também a seres viventes. 

Essa é a boa interpretação de Celso Luft (1921-1995) em defesa da manutenção do sinal antes de "etc.". Ele foi, aliás, um dos especialistas que com mais clareza estudaram o assunto, como demonstra seu livro póstumo A Vírgula (Atica, 1996).

Os exemplos destas páginas mostram que "etc." não carece ser usado em textos nos quais se exige precisão e possam gerar interpretações, oscilantes por natureza.

Portanto, a abreviatura "etc." será antecedida de vírgula, ou de ponto e vírgula, ou de ponto final, dependendo do caso, como nos exemplos dados. Mas sempre com o cuidado que deve reger a criação de textos informativos. (Josué Machado)

Em enumerações

Não só a vírgula pode e deve preceder "etc."  Se a enumeração alinhar itens separados por ponto e vírgula, com o "etc." no final, a abreviatura também será precedida dessa pontuação. E será precedida de ponto final se a enumeração for marcada por esse sinal. É óbvio que, quando se prefere o ponto e vírgula ou o ponto final para marcar a enumeração, procura-se acentuar a pausa, tornar mais dramática a enumeração. Assim:

Nascer, viver, amar, gozar, sofrer, etc.

Nascer; viver;  amar; gozar; sofrer; etc.

E nascer. E viver. E amar. E gozar. E sofrer. Etc.

Em nenhum caso, "etc." será antecedido de "e". E nem seguido de reticências.
 

 

No fim da frase

Se "etc." coincidir com o fim da frase, o que ocorre com frequência, seu ponto será o ponto final dela. Em outras palavras, o ponto integrante da abreviatura coincide com o ponto final, se vier no fim da frase.  

"O governo, qualquer governo, terá sempre o apoio de expoentes da política nacional, como Sarney, Renan, Collor, Jader, etc."

 

Confusão ortográfica

Quanto ao significado, o uso de "etc." não provoca confusões, como ocorreu com a redação do acordo ortográfico de 1990. Foi tal a confusão resultante do uso inadequado da abreviatura que os editores do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp) fizeram um esforço interpretativo para concluir o trabalho. 

A comissão que estabeleceu os termos do acordo discutiu o uso do hífen (Base XV) em que se juntaram a expressão "em certa medida" e "etc.". Mas quem é que pode definir, num assunto como esse, os casos abrangidos por "em certa medida" e "etc."? Dessa imprecisão resultou que os editores do Volp tiveram de considerar como exceção os compostos aí citados e manter hífen na maioria, os aparentemente de acordo com a tendência geral do acordo. Daí compostos como para-brisa, para-choque, para-lama, manda-lua e manda-tudo ao lado dos outros, aglutinados sob o vago chapéu "em certa medida".
 

Incertezas
Por causa do "etc.", há igual estranheza com
 paraquedas, paraquedista,paraquedismo, paraquedístico, sem hífen, porque tem de haver hífen nos outros compostos com a forma verbal "para" com 2o elemento iniciado por consoante: para-bala, para-brisa, para-choque, para-chuva, para-lama, para-raios, para-sol, para-vento, "etc.", "conforme a tradição lexicográfica".

Nada como um vago "em certa medida" seguido de um "etc." para acabar com a precisão de qualquer texto, ainda mais de caráter legal.
 

Fonte: http://revistalingua.uol.com.br/textos.asp?codigo=12316