Quem manda aqui?

09/07/2016 20:53

www.diocesedeconceicao.com.br/

 

Duas negativas iniciam este texto. Explico: NÃO, este não é um texto bacaninha sobre a gentileza que vivi e quero que vivamos. E NÃO, este texto não é engraçado. Ele é chato, realista e reflexivo. Pelo menos se propõe a...

Vai encarar as palavras que virão ou prefere piadas de rede social? Já que ficou, vamos ao começo. Você já reparou na programação da TV aberta? E na mudança de horários do que você mais gosta de ver? Pois é. Quando há futebol, sua novela acaba mais cedo. Programas sobre religião ocupam largos horários, desde o dito horário nobre, até madrugadas e manhãs de sábado. Com o horário político, a sua querida novela vai lá pelas tantas da noite. Notou alguma relação? Já te disseram que futebol, religião e política não se misturam? Discutem-se sim, pelo menos eu acho. Então, porque será que interferem tanto na programação da TV aberta? Respondo em três atos:

 O futebol, a CBF e os clubes movimentam rios de dinheiro e ainda recebem por cotas na programação, a chamada “cota de TV”. É claro também que os patrocinadores dos clubes não estão lá nas camisas ao léu. E note que existem “áreas” mais e menos nobres nos uniformes, que logicamente, custam mais ou menos cifras.

A propaganda eleitoral é gratuita, mas você já notou diferenças na qualidade de produção dos mesmos, dependendo do partido. É que lá atrás, bem nos bastidores, estão grandes empresas a financiarem campanhas. Dessas que exigirão grandes contratos de obras, depois de vencidas as eleições. Sim, o custo-Brasil existe e é levado em conta nisso tudo.

Já os programas religiosos pagam MUITO bem para terem sua grade de atrações regulares, em canais menos “globais” de televisão. E procuram horários menos disputados pelos imensos oligopólios comerciais. As madrugadas e manhãs são mais baratas, mas apostam na ideia de que a fé não tem hora para aparecer, nem agir, nem ser cobrada.

Portanto, sua resposta já deve estar a um clique, não é mesmo? O vilão que altera rumos e horários na televisão que você assiste todos os dias, o ano todo, chama-se dinheiro. Seja nesses programas ou em comerciais que fazem até “artistas” voltarem a comer carne depois de décadas, só pra rechearem um pouco (mais!) a sua poupança. E claro, te convencer de que aquilo tudo é natural. Com o tempo, você se pega comendo, vestindo e usando coisas que jamais imaginaria. Sério. Verdade pura.

O que fazer? Simples: O poder está em suas mãos! Clique, mude, troque de canal. Ou desligue, se for capaz. Prefira programas culturais, musicais, documentários, jornais televisivos com enfoques diversos, menos “estrelados”. Se o seu time, o seu Deus, e o seu candidato são realmente importantes, veja-os, como diria um grande amigo, com um olho no peixe e outro no gato, ou seja, com um olhar crítico e menos passivo. E parafraseando o capitão nascimento: Quem manda aqui é você! Tenha o controle em suas mãos. Literalmente!

Abraço cordial!!!

 

 

 

(Eduardo C. Souza é é escritor contista, romancista e cronista neste espaço, com periodicidade mensal. Atualmente, vê menos TV e lê bem mais. Sem drama.)