Qual é o seu papel?

15/05/2014 20:52

 

Noite de outono; Lembrava verão! Calor de lascar como há muito não víamos. Parecia que a gente ia derreter feito sorvete de creme no asfalto. Coisas do efeito estufa? Não sei. Só sei que estava difícil pacas ficar em casa.

Decidimos tomar um açaí pra refrescar as ideias. Chegando lá, fizemos o pedido e enquanto esperávamos, vi na mesa de madeira um pontinho microscópico se movendo milagrosa e lentamente. “Não pode ser!” - disse incrédulo. Como poderia uma coisa tão frágil e pequenina ainda estar viva e passeando em uma mesa de comércio, devastada por um ventilador profissional (daqueles mesmos que fazem os cabelos das “modelos” atravessarem a esquina de tanto vento!), mãos apressadas, guardanapos ferozes, álcool em gel sazonal, entre outros perigos? Sorte, milagre, sei lá. O fato é que o bichinho nem ligou para o macro-universo que o cercava. E foi andando tão seguro de si que me  causou inveja. Até esqueci do açaí, por uns instantes...

O lance é que na realidade, como lembrava nosso titio Darwin, tudo está ligado por cadeias funcionais, sacou? Não!? Dito de outra forma, científico leitor, diria eu que o universo se desenvolve numa sucessão de fatos e evoluções, tudo com sua função e necessidade. Talvez o bichinho branco fosse o jantar de um outro animal maior. E o maior fosse o café da manhã de outro ainda mais poderoso. Imagine aí... Especificamente sobre esses lances biológicos passo a bola.

Transportando para o nosso texto, acredito (mesmo!) que estamos neste mundo por alguns motivos.  Quando nascemos não trouxemos conosco um bloco com as normas e deveres do que teríamos que fazer. É que durante a vida vamos escolhendo o que fazer, o que estudar, com quem namorar, casar, onde morar e trabalhar. E isso tudo junto e misturado determina quem somos e seremos. Está aí o meu, o seu, o nosso papel no mundo. Entendeu o lance do bichinho? Determine suas escolhas e desempenhe bem o seu papel, para não ter que acabar em mesas erradas e sujas de açaí mais tarde...

E foi por isso que te perguntei no início do texto. E não me venha com a ideia de que seu papel seja o A3, o A4, ou a cartolina laranja que você achou linda ao fazer as compras de material escolar no início do ano letivo. O nosso papel é bem mais complexo. Ao mesmo tempo é simples demais, e comum a todos deste bairro, cidade, país ou mundo: Fazer o bem, ser solidário, ajudar o próximo, ser gentil. Estou sendo piegas? Acho que não, né? O que ganhamos com isso? Boa pergunta e ótima resposta: A oportunidade de sermos melhores. Daí nossa consciência ficará tranquila e nosso travesseiro agradecerá pelo “peso” menor de todas as noites.

E você deve estar se perguntando o que aconteceu com o bichinho branco? Não faço a mínima ideia. O fato é que não o incomodei, deixei-o ir, na boa. Com certeza ele deve ter cumprido seu papel. Já o açaí estava show de bola...

Abraço cordial!!!

 

(Eduardo C. Souza é professor de História e escreve mensalmente neste espaço. Ele pensa que é difícil, porém fundamental termos consciência de qual é nosso papel neste mundo).

 

Confira outros textos do autor no linkColuna do Eduardo.