Poema da Ressurreição

23/12/2013 21:13

 
 
Anda tudo tão fácil e automático,
na ilusão, a realidade eu despacho
Não por não querer ter os pés no chão,
mas justamente pelo imaginário ser mais atraente
eu sorrio, contente, e ao real eu digo não.
 
Não que seja, ao exato, apenas imaginação,
mas em minha cabeça, é muito mais fácil,
é muito mais ágil, ter tudo na palma da mão.
 
Em meus delírios de Ismália,
do céu eu vou ao chão
Querendo a lua prata do céu
Querendo a lua que brilha falha na escuridão
Escuridão ondulada e errante
Escuridão que atrai sem dar suporte
Escuridão que reflete as estrelas e encanta a morte.
 
Não que tenha sorte, tenho apenas imaginação.
Mergulho na escuridão infinita,
e dela, faço minha ressurreição.
 
 
Como sempre, não posso deixar de recomendar um música que combine com o texto, e dessa vez será: Yellow Light- Of Monsters and Man:
 
 

 

Maria Letícia Nolasco é aluna do CAOP e escreve mensalmente neste espaço

Confira outros textos da autora no link: Coluna da Maria Letícia.